quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Milhas e milhas

Estou triste. Talvez não no sentido literal da palavra, não na intensidade exata. Talvez o correto seria chateada, tristinha. Dei-me conta que as pessoas se vão, não para sempre, mas por tempos, por três meses, seis, um ano, e fiquei chateada.
Vi que por algum tempo não precisarei mais mentir para encontrar alguém que não agrada minha família, porque esse alguém não vai estar aqui. Não vou mais ter uma ideia de sms engraçada e, mesmo que tenha, não vou ter para quem enviar. Não vou mais tirar fotos junto, rir junto, cozinhar junto.
Pensando nisso tudo, eu percebi que uma parte de mim está indo embora. Indo com os amigos que saem de férias da faculdade, indo com os amigos que vão para o intercâmbio, indo com quem vai fazer faculdade. Senti-me tão triste... Tão pequena diante da imensidão do mundo. Frágil, porque o tempo passa e, embora não apague o passado, ele muda o futuro.
Talvez seja a hora de ser sincera comigo mesma: minha tristeza deriva da futura partida de uma amiga. Sofro antecipadamente. 
Não vou ter mais macarrão com os restos da geladeira. Nem alguém para deitar comigo em uma sala rebaixada e olhar para o teto que está tão longe. Não vou mais criar filosofias e ter alguém para rir das minhas piadas sem graça. Não vou mais bater um papo a qualquer hora, porque fusos horários vão nos separar. A geografia não resolveu nos ajudar. Porque nem posso mais inventar qualquer coisa e te encontrar na sorveteria.
Vou sentir falta de uma das únicas pessoas que consegue me ouvir sem reclamar, que escuta minhas pirações e dá risada, sem me julgar. Vou sentir falta de um 'dá certo sim!!!', de alguém me reprimindo pelas bobeiras que eu falo na frente de alguém que você acha que vai me julgar. Vou sentir falta de uma das únicas pessoas que pensa diferente dentro dessa cidade tão vazia de filosofia.
Fiquei triste porque quem incentiva os meus sonhos vai embora. A pessoa com a qual eu me abro parcialmente vai embora. Entretanto um ano passa rápido... São só doze meses, trezentos e sessenta e cinco dias, algumas horas... Logo você está aqui de novo.
E, então, nós podemos marcar um sorvete escondido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário